DÚVIDAS

Diariamente, recebo muitas mensagens via e-mail ou nas minhas redes sociais com algumas dúvidas sobre o nosso tratamento.  Sendo assim, responderei aqui para que as demais tentantes tenham acesso também. Espero que seja útil. Porém, jamais se esqueça de que cada ser é único, então, utilize as informações abaixo, reconhecendo que a sua história é singular.

Por que você precisou fazer fertilização in vitro? 

Porque descobrimos, em 2012, após realização do espermograma, que meu marido tinha varicocele bilateral e alterações hormonais, que impediam a produção de espermatozoide com qualidade e quantidade suficiente para uma gestação natural.

Você tinha alguma alteração? 

Diagnosticada não. Todos os exames orientados pela ginecologista deram normais. Entretanto, não cheguei a fazer exames mais invasivos, como histerossalpingografia, para tirar alguma dúvida, uma vez que meu marido já tinha sido diagnosticado com infertilidade.

O que você fez ao receber o diagnóstico? 

Buscamos uma clínica de reprodução humana para nos orientar, bem como um andrologista. Meu marido fez um batalhão de exames, a cirurgia de varicocele e aguardamos o tempo esperado para repetir os exames. Além disso, fizemos cirurgias espirituais em um centro espírita, que nos informou que o tratamento espiritual não seria suficiente. Todo esse movimento levou dois anos para a indicação oficial de fertilização in vitro.

Quantos óvulos você conseguiu com a estimulação? 

16 óvulos, sendo 9 maduros.

E quantos embriões? 

Fomos informados de que conseguimos quatro embriões. No dia da transferência, a embriologista nos disse que um deles bloqueou, ou seja, tivemos um total de três embriões.

Quantos embriões você transferiu?

Dos três embriões congelados, foram transferidos dois blastocistos (cinco dias) por causa da minha idade. Na época, eu tinha 31 anos. Deixamos um congelado.

Você teve hisperestímulo? 

Não.

A transferência ocorreu no mesmo ciclo?

Sim.

Com quanto tempo você teve o positivo?

Fiz a transferência em 13 de setembro de 2014 e o positivo veio em 19 de setembro no exame de farmácia. Gael anunciava a sua chegada! 🙂

Você fez exame para avaliar a qualidade dos embriões?

Não. Como não tivemos indicação médica para isso, como idade, alteração genética etc, não solicitamos por mera curiosidade. Meu lema sempre foi: o que Deus quiser para mim eu quero. A essa altura, já tinha deixado ir a necessidade de controle.

O que você fez com o único embrião que ficou?

Mantivemos ele congelado por três anos, quando recebemos os sinais da espiritualidade de que havia chegado a hora de transferí-lo para o meu ventre. Isso ocorreu em dezembro de 2017.

Você fez novos estímulos ou transferiu esse único embrião congelado do primeiro tratamento?

Após validação da minha médica, transferi apenas o único embrião congelado. Tivemos êxito também nesta tentativa e o nome do nosso segundo filho se chama Benício. 🙂

Com quanto tempo recebeu o seu segundo positivo?

Fizemos a transferência em 11 de dezembro e 16 de dezembro o exame de farmácia já dava como resultado positivo. Porém, a indicação da minha médica era para realizar um exame de sangue no dia 22 de dezembro. Mas aprendi a respeitar a minha intuição, então, eu fiz uma semana antes.

Você teve sintomas após as suas transferências e antes do positivo?

Na transferência de Gael, senti muitas cólicas. Muitas mesmo. Era algo bem angustiante. Porém, como estava em total repouso por 15 dias, consegui contornar descansando e assistindo filmes engraçados. Na transferência de Benício, também senti muitas cólicas e náuseas leves. Também estava em total repouso. Eu me preparei para isso, cancelando todos os compromissos, inclusive, na primeira tentativa, não apresentei atestado médico para manter o silêncio, e tive metade do meu dinheiro descontado pela empresa. Nada era mais importante, então, assumi a minha total autorresponsabilidade e fui viver a minha jornada como acreditava ser a melhor forma.

O que você fez para lidar com a incerteza e a ansiedade?

Todas as práticas espirituais que indico aqui neste blog e tantas outras. Mudei toda a minha rotina, pedi demissão de um trabalho de oito horas por dia e foquei naquilo que entendi como sendo o mais importante para a minha vida: o meu sonho de ser mãe.

O que você acredita que levou você a ter dois positivos com sucesso em suas duas tentativas? 

Não tenho dúvidas de que foi a minha relação com Deus, porque entendi a infertilidade como sendo um chamado espiritual. Por meio dessa relação com o divino, recebi sinais importantes, como qual equipe médica escolher e as mudanças mentais e espirituais que precisava fazer. Aqui neste blog, você encontra boa parte do movimento que fiz para realizar o meu sonho. E, certamente, a base principal foi deixar ir a vitimização e assumir a minha própria jornada.

O que você aprendeu com toda essa história?

Que é preciso deixar ir a necessidade de controle e confiar na vida. Ela me ama!

Se você tivesse que dar apenas uma dica para uma tentante, o que você diria a ela?

Eu diria que é preciso compreender essa situação aparentemente desfavorável como sendo um trampolim para uma jornada cheia de propósito e sentido. Sendo assim, que repense as suas prioridades e foque na sua espiritualidade e no seu autoamor para ter mais clareza sobre o que a infertilidade quer dizer em sua história de vida. Não há uma receita pronta, única, cada pessoa está em sua própria caminhada, porém não tenho dúvidas de que ao mergulhar no autoconhecimento, ancorado com a espiritualidade, a cura necessária vem. É isso em que realmente acredito.